Estamos cuidando dos manguezais da Amazônia?

Os manguezais são florestas de vegetação específica capazes de resistir ao fluxo marinho e a salinidade da água do oceano. É uma floresta que apresenta uma grande importância na manutenção da zona costeira e importância socioeconômica para a comunidade tradicional.

Manguezais na margem do estuário do rio Mojuim, Pará, Brazil. Fonte: Observatório da Costa Amzônica.

Os manguezais são importantes por protegerem a costa e as margens de  estuários contra a ação erosiva das ondas e maré. Também fornecem recursos vegetais e animais para população humana. São considerados berçários naturais para diversas espécies de animais; e são capazes de aprisionar substâncias químicas que possam ser nocivas ao ambiente.

Devido ao grande valor destes ambientes, nós deixamos aqui a dúvida: será que os manguezais da Amazônia são bem cuidados?

Imagem vista de baixo das raízes de manguezais na margem do estuário do rio Mojuim, Pará, Brazil. Fonte: Observatório da Costa Amzônica.

Com o passar dos anos, é possível observar um padrão mundial de perda da área de manguezais, ligados principalmente ao crescimento e o desenvolvimento da população humana em zonas costeiras. A estimativa é que cerca de 10% da população mundial viva nestas regiões (McGranahan et al. 2007).

Valiela et al. (2001) fez um compilado global de áreas de manguezais entre os anos de 1980 a 1997.  O autor observou que durante este período houve uma redução de aproximadamente 35% da área original da floresta de mangue no mundo. Além disso, estimou que 2% dos manguezais são perdidos por ano.

No Brasil, os manguezais são considerados ‘Áreas de Proteção Permanente’ (APPs), protegidos legalmente pelo Código Florestal (Lei 12.651/2012). Contudo, de 1980 a 2005, o Brasil perdeu 50 000 ha de floresta de manguezal, principalmente no sul do país (FAO, 2007). Assim, Hayashi et al. (2019) decidiu analisar os impactos antrópicos nos manguezais da costa amazônica brasileira, apresentando evidências dos efeitos das ações humanas sobre o uso da terra em manguezais.

Hayashi et al. (2019) mostrou que os manguezais da Amazônia sofrem baixos níveis de exploração. A intervenção humana nos manguezais amazônicos é impulsionada pela rede viária (transporte por meio terrestre), em particular as estradas pavimentadas. Segundo o autor, a ausência de uma rede viária adequada permitiu que os níveis de ação humana sejam baixos nos manguezais, devido a existência de regiões inabitadas e não exploradas na Amazônia.

Assim, a grande extensão e a ausência de massiva habitação humana na costa permitem que os manguezais da Amazônia apresentem baixos níveis de degradação. Em futuras instalações e expansões da rede viária, que ocorram próximo à floresta de mangue, serão necessários estudos de impactos nestes ambientes, visando o monitoramento de instalações que sejam construídas com o mínimo de degradação dessas florestas na Costa Amazônica.

Referência

Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2007. The World’s Mangroves 1980 – 2005. FAO Forestry Paper, Rome. http://www.fao.org/3/a1427e/a1427e00.htm.

Hayashi, S.N.; Souza-Filho, P.W.M.; Nascimento, W.R. Jr.; Fernandes M.E.B., 2019. The effect of anthropogenic drivers on spatial patterns of mangrove land use on the Amazon coast. PLoS ONE 14(6): e0217754. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0217754.

McGranahan, G.; Balk, D.; Anderson, B. The rising tide: Assessing the risks of climate change and human settlements in low elevation coastal zones. Environ Urban. 2007; 19:17–37. https://doi.org/10.1177/0956247807076960.

Valiela, I.; Bowen, J.L.; York, J.K., 2001. Mangrove Forests: One of the World’s Threatened Major Tropical Environments. Bioscience, 51(10):807. https://academic.oup.com/bioscience/article/51/10/807-815/245210.

Share on facebook
Share on twitter
Estamos cuidando dos manguezais da Amazônia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Rolar para o topo
pt_BR